Archive for the 'Pré-jogo' Category

Projeto Casablanca 2014 começa hoje

O Projeto Casablanca 2014 (a final do Mundial de Clubes será no Marrocos) começa hoje. O Avaí vai ao interior do Rio de Janeiro enfrentar o Volta Redonda. Mesmo o time fluminense sendo um “fora de série” (ainda não tem divisão pra disputar em 2013), não deve ser nenhuma moleza. O Voltaço divide a liderança do grupo A da Taça Rio (com um jogo a mais, é verdade) com o Botafogo. São quatro vitórias em cinco jogos, inclusive um 1 a 0 contra o Vasco.

O confronto válido pela primeira fase da Copa do Brasil não vem em boa hora para o Leão, que terá uma pauleira domingo contra o Metropolitano em Blumenau. Mas, quem está na chuva é pra se queimar, já diria Vicente Matheus, então tem que ter foco nos dois campeonatos, por mais paradoxal que isso seja.

A Copa do Brasil em 2013 será a mais difícil desde o fim da década de 1990, com certeza. Como sei disso? Buenas, basta dizer que os times brasileiros que estão na Libertadores voltam a disputá-la (menos o São Paulo, que vai participar da Sul-americana, como atual campeão), a partir das oitavas. Isso vai elevar e muito o nível do torneio. Grêmio, Fluminense, Corinthians, Atlético Mineiro… só peixe grande.

Porém, para um clube pequeno no cenário nacional como o Avaí e qualquer outro catarinense, a Copa do Brasil representa a maior possibilidade de conquistar um título nacional de primeira linha. É difícil, mas é mata-mata, dois jogos, um aqui, outro lá, e deu. A chance de um time inferior tecnicamente bater os grandes é maior que durante 38 longas rodadas de uma Série A. Basta ver a lista campeões e vices da Copa desde 1989 e comparará-la com as do Campeonato Brasileiro, dominado pelos “12 grandes” de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

Acredite, Avaí. É difícil, mas não impossível. Cada passo de uma vez, a partir de hoje à noite.

O Avaí contra times do RJ

O Avaí enfrentou times fluminenses duas vezes na Copa do Brasil, ambas em 2011. Eliminou um (Botafogo), foi eliminado por outro (Vasco) e não venceu nenhum jogo (três empates e uma derrota). Marcou quatro gols e sofreu seis.

Non habemus papam

O Avaí vai para o difícil jogo contra o Joinville sem Marquinhos. O Galego, a cabeça pensante desse time sem muito brilho,  forçou o terceiro cartão amarelo na partida contra o Guarani para não correr o risco de ficar fora do clássico. Uns acharam certo, outros, errado, e eu estou nesse segundo grupo.

Montagem feita pelo Gérson dos Santos, do blogue Avaixonados (www.avaixonados.com)

O confronto deste domingo é mais decisivo para classificação que o clássico. Se ganhar hoje, o Avaí abre sete pontos de vantagem para o Joinville e praticamente afasta esse hoje adversário direto da briga pela vaga na semifinal. Se perder, a pontuação fica em 22 a 21, e trazemos os tricolores de volta para a disputa. O co-irmão, com 28 29 pontos e ainda um jogo contra o Juventus a fazer, já está virtualmente classificado, pelo menos pelo índice técnico. O clássico só vai ser um duelo de vida ou morte se perdermos para o JEC. Por isso, a presença de Marquinhos lá no Norte seria importante.

“Ah, mas todo clássico é um duelo de vida ou morte.” Discordo, acho que é muita moral que estamos dando pro Figão, mas agora está feito, e é assim que vai ser. Sem Marquinhos, devemos ver um Avaí mais corredor e menos pensador hoje. Não lembro de jogador no elenco que tenha as mesmas características que o Galego. Talvez o Higor, 19 anos, sete jogos como profissional no Fluminense. Nadson, Maranhão, Marrone e Ricardinho são muito mais pulmão que cérebro.

Haja o que hajar, uma certeza eu tenho: como hoje é Páscoa, leremos/ouviremos/veremos muitos editores, repórteres, narradores, apresentadores etc. fazendo piadas infames com o fato de o JEC ser o “Coelho”. Haja fígado.

Ñameé korasó mbareté

Essas palavrinhas do título do post estão nas costas de uma camisa da Seleção Paraguaia que tenho na minha coleção. São do idioma guarani e significam, segundo encontrei na internet, “força, coração e garra”. A mesma camisa tem em sua gola o desenho de um leão, o que me fez lembrar que, contra o Guarani, o Leão da Ilha vai precisar de muita força, coração e garra para sair com a vitória. Não deve ser tão fácil quanto gostaríamos.

detalhe_camisa_paraguai

Detalhe da camisa do Paraguai com as palavras em guarani e o leão.

Além de serem alvianis (uau!), da Grande Florianópolis e terem nomes que rimam com “aí, aí, aí”, Avaí e Guarani fazem campanhas parecidas e vêm de momentos quase idênticos no segundo turno. Ambos têm sete pontos, conquistados nos últimos três jogos, dos quais dois foram em casa e um fora. Ah, e vêm de vitória sobre times de uniforme grená. É muita coincidência. Só faltava o Ricardinho ter bigode (abraço, Joceli!).

Mas hoje à noite não há nada mais que o Leão possa fazer além de frear essa ascensão do Bugre. Os resultados de ontem foram bons. Atlético e Metropolitano empataram. Uma vitória deixa o Avaí em terceiro lugar na classificação geral, já abrindo dois pontos para o Metrô e três para o Hermann Aichinger. Entra também na briga pelo título do returno, com um pontinho a menos que o Figão e empatado com o time do Mauro Ovelha. Se vencer, claro.

Não preciso dizer que é um jogo deveras interessante. Espero que tenhamos um bom público, pelo menos uns 10 mil pagantes, mas não vou ser eu a ensinar o torcedor a torcer. Quem quer ir, vá (eu vou, como sempre. Vamos?). Quem não quiser, que fique em casa.

O Guarani é um bom livro. E um time esforçado.

O Avaí deve começar a partida com a mesma formação que iniciou o jogo contra o Juventus. Pablo e Alef na zaga, que foi pavorosa nos últimos dois jogos. Ricardinho no meio, que deve ter uma interessante formação em losango. Tipo assim:

Alê

Ricardinho – Jéferson Maranhão

Marquinhos

Acho que pode funcionar. Embora tenha várias ressalvas a fazer ao futebol do Maranhão, o “novo Robinho” (malhado pela torcida até quando respira), penso que ele tem feito partidas razoáveis atuando um pouco mais recuado (vi isso ocorrer pela primeira vez no segundo tempo contra o Guarani). É o único meia canhoto que temos. Não tem tu, vai tu mesmo.

Muito ñameé korasó mbareté hoje à noite!