Arquivo para novembro \30\UTC 2011

Os responsáveis pela nova setorização da Ressacada

O retrato do “compromisso”

No aquecimento antes do jogo contra o Vasco, entrevistado pelo repórter Sérgio Guimarães (CBN), Fabiano foi questionado sobre se ficaria no clube em 2012. “Não, né? Joguei pouco este ano”. E riu depois.

Aí, na última semana, Fabiano não pôde treinar porque ficou muito tempo na praia e queimou-se.

Por fim, Fabiano joga contra o Coritiba e é expulso infantilmente por chutar a bola contra um adversário caído.

Fabiano, rapaz bastante “preocupado” com o Avaí, continuou sendo relacionado pra jogos, tirando o lugar de um guri que podia estar aí sendo testado para 2012. Essa é minha vida, esse é meu clube.

Sobre o novo plano de sócios, parte I

Buenas, o assunto do momento é o novo plano de sócios do Avaí, aprovado na última reunião do Conselho Deliberativo (mas não por unanimidade, como está no site do clube). Um plano cuja boa novidade é a de incluir preço reduzido para estudantes e idosos. Tem também um desconto de 17% para pagamento por meio de débito em conta corrente ou anuidade (parcela única no início do ano). OK, isso é bom. Mas, no mais, o plano Sempre Avaí avança muito pouco em relação ao Sócio Coração, que ficou conhecido nas arquibancadas da Ressacada como Sócio Exploração.

É verdade que há redução da mensalidade nos setores B, C, D, E, G e H. Mas achei tímida demais para provocar uma adesão em massa ao novo plano. O valor da mensalidade masculina mais barata (R$ 50,00) é apenas pouco menor que o pacote PFC para Série B e Campeonato Catarinense (R$ 59,90, segundo o site da NET). E com o pay-per-view o torcedor tem as vantagens de:

– não pegar fila pra ir nem pra voltar;

– não pegar chuva nem frio;

– não gastar com gasolina e estacionamento nem se incomodar com flanelinha;

– poder assistir, por R$ 59,90, a um jogo com a mulher, o filho, o neto, a prima, o vizinho, etc.;

– poder beber sua cerveja enquanto assiste à partida;

– poder assistir não só aos jogos do Avaí, mas de todos os times envolvidos nos dois campeonatos, bastando apertar um botão para isso.

O PFC, portanto, vai continuar tirando muita gente da Ressacada.

O plano Sempre Avaí foi idealizado por profissionais da área de marketing do Avaí, que possuem formação em marketing. Excelente. É bom saber que no clube há gente com formação atuando nos setores estratégicos do clube. Mas até por essa qualificação dos profissionais avaianos, senti falta na apresentação do novo plano ao Conselho Deliberativo de dados  relativos ao público-alvo. Quantos avaianos somos? Onde estamos? Qual o perfil da nossa torcida? Somos mais classe A, B, C, D ou E? Quantas pessoas podem pagar os valores mencionados no plano? Não foi mencionado nada disso. (obs.: foi mostrada uma pesquisa que aponta o Avaí como clube catarinense de maior torcida, mas sem maiores detalhes)

O que foi mostrado foi uma comparação entre os valores que serão praticados pelo Avaí e os valores das mensalidades equivalentes adotados por Criciúma e Figueirense. Bom, com certeza é necessário fazer o benchmarking, mas não pode ser a única referência para valores. As regiões de Florianópolis e Criciúma têm tamanhos, perfis populacionais e opções de lazer bem diferentes. Não temos como comparar as divisões (o Figueirense está na A) e os momentos (male-male, mas o Criciúma foi vice estadual e não foi rebaixado, como nós) dos três clubes.

Também não dá para comparar o transtorno que é o acesso à Ressacada (hoje está pior na saída; na ida, melhorou muito) com a facilidade de chegar ao Heriberto Hülse e ao Orlando Scarpelli, estádios localizados em regiões populosas e de trânsito muito menos complicado. Até por isso, tenho a opinião de que, em condições iguais de campeonatos e divisões, jamais o Avaí poderá cobrar o mesmo valor de mensalidades e ingressos que o Figueirense. Temos uma grande desvantagem competitiva: o acesso.

O embasamento do novo plano em uma pesquisa mercadológica (para conhecer o público-alvo) foi questionado na reunião pelo conselheiro Adir Júnior. A resposta foi a de que, além de Criciúma e Figueirense, outros clubes foram analisados. Não era essa a resposta certa à pergunta.

Comento mais sobre o que achei (afinal, este é um blogue de opinião) sobre o novo plano de sócios em um post amanhã.

(A foto mostra o superintendente de Negócios do Avaí, Daniel Vicente, apresentando o plano Sempre Avaí ao Conselho Deliberativo. Crédito: Site do Avaí)

A minha “nova era”

Na reunião de segunda-feira do Conselho Deliberativo do Avaí, meu nome (e de mais cinco pessoas) foi aprovado para integrar o conselho. Fui indicado pela Kátia “KK” de Paula, do DNAzul. Tornei-me o que alguns chamam de “conselheiro biônico”, já que fui indicado, não eleito. Entendo perfeitamente essa visão e até tendo a concordar com ela. Mas topei o desafio por acreditar (bobinho eu, talvez) que possa contribuir mais com o meu clube do coração estando lá do que apenas gritando na arquibancada.

A reunião do Conselho foi realizada num espaço logo acima do atual Setor C da Ressacada (aquela parte coberta na curva). Para chegar lá, entramos pelo estacionamento dos jogadores e cruzamos a antiga Costeirinha. Pra mim, esse foi um trecho simbólico. Assisti vários jogos dali. Da Costeirinha para o Conselho. Foi o caminho que percorri tanto na noite de segunda quanto nos 17 anos de Ressacada.

Minha primeira reunião no Conselho teve um quórum (cerca de 120 pessoas) grande, segundo o próprio presidente do órgão, e muito agito tanto dentro quanto do lado de fora. O ponto mais discutido foi o novo plano de sócios. Ouviam-se, vindos do lado de fora, os gritos e batuques de um grupo de aproximadamente 60 torcedores avaianos descontentes com a diretoria atual. Atenderam ao chamado de vários blogues (deste inclusive) para comparecer à Ressacada, mesmo com chuva. Verdadeiros avaianos, pois.

Pode-se questionar um ou outro grito (ofensas pessoais, essas coisas), mas a voz da torcida foi ouvida sim durante a reunião do conselho. Alguns conselheiros inclusive citaram a manifestação como exemplo de como as coisas deram errado em 2011 para o Avaí. Otimista que sou, espero que a manifestação não tenha sido em vão.

Sobre o novo plano de sócios, comento em um post futuro.

A pior campanha

O site FutebolSC.com divulgou ontem (domingo, 27) que a campanha do Avaí é a pior de um clube catarinense na Era Pontos Corridos (desde 2003). É a primeira vez neste formato que um clube catarinense termina na lanterna da competição.

Pela primeira vez um time do estado termina o campeonato na última colocação da primeira divisão do Campeonato Brasileiro (desde 1971). Há que relativizar, claro. A Chapecoense foi 93a. num campeonato com 94 clubes (em 1979) e cheio de fases, grupos e mata-matas. Nós, aliás, fomos 90o. no mesmo campeonato. Disputar um campeonato por pontos corridos contra uma elite de 20 clubes é bem diferente.

De qualquer maneira, a vergonhosa campanha não deve ser esquecida jamais.

Destino

Quiseram os deuses do futebol que o pior elenco da história do Avaí na Série A chegasse à última rodada podendo tirar as chances de o nosso rival disputar pela primeira vez a Taça Libertadores da América. Acontecendo isso, a torcida avaiana vai cantar em êxtase, comemorar a vitória (ou empate, que seje) com seus “craques” e, de quebra, eles (os boleiros, claro) provavelmente receberão um bicho histórico.

Fazer o quê? Por uma vitória no domingo, aceito até mais essa socialização de custos. É o que resta.

O Avaí somos nós!

Torcedor avaiano, esta segunda-feira (28) é o momento de mostrar toda nossa indignação contra a atual administração do AVAÍ. Vamos comparecer à Toca do Leão às 19h para a concentração e depois acompanhar (mesmo que do lado de fora) a reunião do Conselho “Deliberativo”.

Junto somos mais fortes, compareça e marque presença nesta que pode ser nossa grande vitória nos anos de 2010 e 2011.

Texto retirado do blogue Sangue Azurra.


Seja sócio

Divirta-se com amigos

No Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.